sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Poemas

                         
  Silêncio negro

Silêncio. Palavra quase nunca questionada, até ser necessário seu uso;
Longe do amor do afeto e se distanciando da alegria a cada instante;
Coração dilacerado já não estanca o sangue, durante a madrugada o sangue jorra quente de dentro de um coração pulsante que ainda encontra um pequeno vestígio de forças para lutar;

Os olhos se fecham lentamente, entrando em contato com um mundo suprimido, silenciosamente na noite negra a adentrar sem receio;
O silêncio negro amarrota a alma originando tristeza explícita aos olhos.
Palavras já são ouvidas, mas não distinguidas E nem explicadas.
O tempo passa o mundo passa nada é bom o bastante para fazê-los descontinuar

Autor: Rodrigo da Silva Júnior

Nenhum comentário:

Postar um comentário